Contribua com o SOS Ação Mulher e Família: Banco Santander 033 / Agência 0632 / Conta Corrente 13000863 – 4 / CNPJ 54.153.846/0001-90

Pessoas físicas e jurídicas podem destinar IR para o SOS Ação Mulher e Família através do Fundo Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente: http://fmdca.campinas.sp.gov.br/

quinta-feira, 12 de outubro de 2017

Mulheres lutam por oportunidades no setor cultural da Alemanha

Na Alemanha, menos de 25% dos filmes são rodados, escritos ou produzidos por mulheres.
11.10.2017
Melanie Matthäus
Na Alemanha, menos de 25% dos filmes são rodados, escritos ou produzidos por mulheres. Dentro desta estatística está Janine Jackowski. A produtora conseguiu se estabelecer - e se destacar - em uma cena dominada por homens. Ela trabalhou na produção de vários filmes, entre eles, "Uma mulher fantástica" e o aclamado “Toni Erdmann”, premiado em Cannes e um dos indicados ao Oscar 2017 como melhor filme estrangeiro.

Junto com Maren Ade, diretora do longa "Toni Erdmann", Janine Jackowski fundou a produtora Komplizenfilm. Apesar de o mercado cinematográfico ser dominado por homens, Janine conta que o cenário era outro na época da universidade: “Quando Maren e eu estudávamos cinema era realmente meio a meio. A participação feminina não era tema durante a universidade. Porém, alguns anos depois nos perguntamos: quem dos nossos colegas ainda trabalha na área? Praticamente só os homens.”
O domínio masculino também atinge outros setores culturais, como os museus. Marion Ackermann é um das poucas mulheres em posição de liderança na área. Desde novembro de 2016, ela é diretora-geral dos Acervos estatais de arte de Dresden: uma das funções mais importantes ligadas a museus na Alemanha. Marion gerencia 450 funcionários e 15 museus. “Poucas mulheres estão em posições de liderança. Se observarmos a associação de museus BIZOT, de cerca de 45 diretores de museus em todo o mundo, somos atualmente apenas 4 ou 5 mulheres", comenta Marion Ackermann.

Nenhum comentário:

Postar um comentário